terça-feira, 30 de novembro de 2010

Poesia Infantil - EM MARTE














Em Marte tem um neném.

Uma manhã...

hã? Menino ou menina?

Não importa o nome

ou se é mulher

ou se é homem.

Importante mesmo é que é

um neném!

Ocupando a inteira metade

daquele mundo longe

a criança dorme

por muito tempo

e quando, lentamente,

amanhece seus olhinhos

(imensos),

a primeira intenção

é urinar, mijar, desaguar

divertidamente...

Mora sozinha, a criança:

não se conhece parente

a origem, ou mesmo o destino.

Se vem de Mercúrio

Netuno ou Plutão,

é uma informação

que o poema não encontrou.

De noite, quando tem fome,

carinhosamente

a Via Láctea o amamenta

enquanto Saturno canta

um ninar que embala,

transformando o sono em sonho.

Uma manhã, levantando

as pernas e o nariz,

reconheceu-se uma grande pessoa

no universo que desenhou

quando era

neném em Marte.

Um comentário:

  1. Queria meu nenem lá e eu aqui ou eu lá e ele aqui, quando chora, quando chora muito...hehe. gostei mesmo!
    abraço. guara

    ResponderExcluir