sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Claudio Daniel

caranguejos da noite
arranham farpas
esfiapam silêncios
em órbitas de vogais
parietais de esqueletos
investidos de ódios
em onde de nuncas:
noite é a ferida do nome
noite é queimam palavras
ferida é nunca de nunca mais


----------------------------

espaço vegetal, tempo lagarto:
mãos fluidas; voz movediça;
olhos de musgo, na pedra;
quem sou eu, nessa era líquida,
menos homem que número,
letra negra, fragmento do caos,
movendo-me à roda de teu nome?

Claudio Daniel, em LETRA NEGRA, incluído em seu livro
CORES PARA CEGOS (Bauru: Lumme Editor, 2012).

Nenhum comentário:

Postar um comentário