terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Gira Negra

GIRA NEGRA

pássaro noturno abre o trabalho
e a noite ancestraliza
os poros da bahia
de todos os cantos

cada corpo em seu lugar de multidões
alça voo entre as estrelas
e aranhas que tecem na mente
a sabedoria das mulheres
sapateiam no toque dos couros

meninos virados em assombro
fiam rastros de barcos
nas mãos do poeta
castro alves
que acena ao céu

- o céu de salvador: boca
murcha de nuvens
falando a língua da lua-

e aquela onda
embaraçando
luz e som
e cais e panos

é uma negra
dançando
trovões africanos

Nenhum comentário:

Postar um comentário