quarta-feira, 2 de abril de 2014

Octávio Paz (1914 - 1998)


Uma linguagem que corte o fôlego. Rasante, talhante, cortante. Essa deve ser a linguagem do poeta. Linguagem de aços exatos, de relâmpagos afiados, de agudos incansáveis, de navalhas reluzentes. Uma dentadura que triture o eu-tu-ele-nós-vós-eles. Um vento de punhais que desonre as famílias, os templos, as bibliotecas, os cárceres, os bordéis, os colégios, os manicômios, as fábricas, as academias, os cartórios, as delegacias, os bancos, as amizades, as tabernas, a revolução, a caridade, a justiça, as crenças, os erros, a esperança, as verdades... a verdade!

Nenhum comentário:

Postar um comentário